domingo, 29 de maio de 2011

COMPLEXO ECOLÓGICO PARQUE DOS IGARAPÉS
































No último dia 29 do corrente mês a 7 Tun1, turma do Curso de Turismo da Faculdade de Belém – FABEL, esteve em visita técnica no Complexo Ecológico Parque dos Igarapés, localizado no Conjunto Satélite, à 20 minutos de Belém percurso realizado em rodovia. Em princípio pensou-se numa possível falta de comunicação por parte da infraestrutura humana que trabalha no parque, pois pareciam desconhecer que o grupo de acadêmicos estaria presentes nessa hora no local.
Mais tarde, às 9h25min o grupo foi recebido pelo Rafael Pinheiro que conduziu o grupo por uma estrada à direita. Logo foram aparecendo os românticos chalés construídos em alvenaria e madeira de lei. Foi dito que os chalés estavam todos ocupados e por conta disso não poderiam mostrar como era o interior dos mesmos, entretanto, no final da visita foram mostrados dois chalés de tamanhos diferentes, o maior comporta até treze pessoas.
Para quem vai se hospedar, os preços da diária seguem da seguinte maneira: R$45,50 por pessoa; R$95,00 o casal; porém se este casal colocar uma, duas, três ou mais pessoas em seu chalé, será cobrado apenas R$35,00 por cada pessoa colocada no chalé do casal que pagou a diária de R$95,00. Dentro dos chalés conta-se com confortáveis camas, móveis em madeira de lei, ar condicionado, apartamento muito bem pintado, decoração leve com peças de artesanato local, ambiente claro e aconchegante, alguns chalés possuem uma escada feita em madeira de lei que leva ao aposento superior que se supera em aconchego.
 O ambiente ecológico conta com 160 mil hectares de terra de rara beleza amazônica atraindo turistas do mundo inteiro. Este espaço está destinado a atender dois tipos de público: aqueles que se hospedam, fazem uso dos chalés e passam alguns dias pagando as diárias devidas, este tipo de publico estará disposto a fazer trilhas ou caminhadas lá dentro do Complexo; o outro tipo de público são os banhistas de final de semana, que irão somente no sábado ou no domingo, fazem o check in adquirem o passaporte de entrada, consomem algumas bebidas e comidas e no final do dia migram para suas casas.
Nossa opinião embasada em relatos que escutamos de alguns turistas estrangeiros mostra que estes preços de hospedagem em relação a Belém não são caros, entretanto, com relação à Europa este preço encontra-se elevado, visto que, uma casa na praia montada de tudo, inclusive com internet, computadores e todo o conforto possível de se imaginar, custa mil Euros, valor atribuído para o mês inteiro na época de férias.
Sem dúvida, um belo local onde se pode observar como pontos positivos a sua localização privilegiada, local no coração da cidade de Belém, por ser um ambiente de grande diferenciação ecológica, que exultam as exuberantes belezas amazônicas concernentes a flora da região, contudo, o grande diferencial é que o público que freqüentador não passa horas viajando para chegar até lá, por ser um local perto de tudo em Belém.
 O segundo ponto positivo está relacionado com a gastronomia do local, que é bem variada e possui pratos diversos para todos os gostos, além de possuir bom paladar. O banho muito agradável e aprazível que refresca os hóspedes e banhistas de final de semana também compõe o ambiente conferindo rara beleza à paisagem cênica para emoldurar as fotos das pessoas que por lá passam. Além do mais, a água da piscina do parque é oriunda de várias nascentes, olhos d’água que puxam a água através de uma bomba para encher a piscina e manter a água sempre corrente. Deste modo a piscina de 2000 metros quadrados, servida com água mineral que está sempre se renovando.
O Parque tem uma parceria com a empresa do Bruno Aventura que terceiriza a prática de esportes, como por exemplo, Arvorismo, Tiroleza e Rapel. É um ambiente, predominantemente, familiar que se mantém no mercado há 20 anos e possui uma administração e gerencia também familiar, entretanto, o impulso para se manter com atividades diferenciadas é percebido quando Rafael relata que o “Arvorismo que acontece no parque é o passeio na copa das árvores e é o único no Brasil com essas características”.
O parque é denominado de Complexo porque existem vários locais dentro deste espaço, por exemplo, o Salão Pássaros e Estrelas é o salão de eventos, onde acontece todo tipo de eventos ou reunião, o espaço se transforma de acordo com o evento, há lugar para até 300 pessoas.
O falante e competente Rafael levou o grupo de acadêmicos até uma das margens do Rio Ariri, onde há uma ponte de madeira que se assemelha a um pequeno porto. Nesse momento, vislumbrou-se como seria interessante que houvesse um passeio de barco, isto de fato empolgaria turistas e até mesmo pessoas do local. Rafael relatou que em tempos passados houve uma empresa que fazia tais passeios, mas que nada nesse sentido vai para frente, acaba por sucumbir.
Nesse momento, houveram muitas falas e discursos por parte de alguns acadêmicos, o levou-se a concluir que, infelizmente, no Estado do Pará não há políticas públicas desenvolvimentistas na área do turismo, não há interesse da classe política da região, pois o fomento do turismo viabiliza recursos monetários no bolso do povo, dos comerciantes, dos donos de hotel e etc e não nos bolsos dos nossos ilustres políticos.
O local de raro encanto, porém, perceberam-se grandes pontos negativos, que poderão afastar o turista fiel e inibir a visita de outros turistas, pois a melhor propaganda é aquela que corre boca a boca. Sabe-se que na atualidade a competitividade acirrada demanda que todos os setores da economia, principalmente, o setor hoteleiro ou as empresas que trabalham diretamente, com o turismo possuam mão de obra qualificada para o atendimento destes clientes ditos “especiais”, por estarem num momento de lazer e que, portanto, necessitam de atenção redobrada. Quanto a este aspecto observou-se que na Recepção do Complexo Ecológico não há pessoal capacitado e qualificado, o que há são pessoas que agem com morosidade e sem dinamismo.
Quanto à pessoal capacitado, o Rafael falou que contratar garçons profissionais fica muito honeroso e que os atendentes não são garçons, são chamados de Gentil Atendente e é o próprio setor de RH que treina estes funcionários. Embora o serviço de restaurante seja muito bom, com pratos variados, esbarra-se no mesmo problema: pessoal inabilitado para servir as mesas. Não existe a tal da “Qualidade Total dos Produtos e Serviços” tão divulgada e tão exigida em tempos atuais. A carência da mão de obra qualificada do material humano é visível: garçons que não são garçons; recepcionistas sem dom da comunicação, aliás, comunicação é algo muito defasado no que concerne aos profissionais que atuam no local, em tempo, a crise na comunicação deve ser em nível de Região Norte.
A segurança do espaço é algo que preocupa a gerência do estabelecimento e para isso conta-se com quatro pessoas e dois cães da raça Rotweiller e um da raça Fila. A vizinhança de certo modo também protege o parque, visto que, os moradores dos conjuntos Maguari e Satélite se abastecem de água mineral servida pelo parque. Estes vizinhos ao verem algo suspeito nas imediações avisam a gerência e por conta disso nunca houve coisas desagradáveis no local por falta de segurança.
O Complexo Parque dos Igarapés possui dois restaurantes com serviço a La Carte, peixaria, churrascaria, antiga boate Baí. Está sendo construídos vestuários e banheiros de acordo com a norma ISSO 9001, com adaptações para cadeirantes. O Complexo funciona das 08h00 às 20h00 e é muito bem freqüentado aos finais de semana por famílias com crianças, visto que a piscina propicia o banho infantil devido a sua parte rasa, justamente, implementada para os pequenos.
Um ponto causador de polêmica entre os freqüentadores do Complexo Parque dos Igarapés é questão da cobrança no ato da entrada, considera-se esta entrada muito cara e já que cobram deveriam manter o local em melhores condições. Falar de valores pode parecer meio confuso e denotar que se acha isto ou aquilo porque se estar do outro lado do balcão, ou seja, como cliente, porém, pode-se dar uma sugestão com base em nossos conhecimentos de mundo:
Por exemplo, o Parque aqui neste trabalho citado, poderia cobrar a entrada, seja o preço que fosse. O cliente deveria receber uma comanda, cada cliente teria a sua comanda, onde seria anotado todo o consumo de cada cliente. Depois, ao fechar a conta de cada cliente, aquele valor cobrado no ato do check in seria subtraído da conta de tal cliente. Contudo, se o cliente adentrou ao Parque, mas nada consumiu o valor cobrado na portaria não seria devolvido. Por exemplo, a conta do cliente deu R$ 70,00, nesse caso seria subtraído R$ 10,00 de sua conta que fora cobrado na portaria, seu total a pagar seria R$ 60,00.
Pode-se relatar que esta ideia não surgiu do nada, na Europa já existem locais que trabalham desse modo, a exemplo, o Inox Club, localizado na Vila de Cezar, pertencente a cidade de Oliveira de Azeméis, cidade situada ao Norte de Portugal, bem como, outro ponto do Inox Club que opera suas funções por ocasião das férias de verão na Cidade de Ovar, Praia do Furadouro, também em Portugal, potencial atrativo por ocasião do verão, local construído perto da praia para este fim.
Infelizmente, conclui-se que não há sinalização a fim de que o turista, ou até mesmo o belenense chegue até o local, pergunta-se nas imediações e poucas pessoas sabem dar informações sobre este local, acredita-se que falta divulgação principalmente entre o povo da terra, quem acaba desvendando, apreciando e até divulgando este local tão belo são os acadêmicos dos diversos cursos de turismo ou pessoas da área independente de cursos... O que é uma grande pena, pois o local poderia ser apreciado por muitas pessoas de fino gosto, mesmo sendo pessoas de nossa cidade, assim não se conhece o que é nosso.


2 comentários: